O QUE CHAPLIN NÃO FALOU

Período de inscrições: até 1° de março de 2021

Período de disponibilização das aulas: de 1° de março a 1° de abril

Em 1927, com a chegada do cinema sonoro, Charles Chaplin (1889-1977) recusou-se a aderir à novidade por acreditar que os diálogos poderiam matar seu mais emblemático personagem, Carlitos, o adorável vagabundo, figura construída a partir do humor essencialmente físico. Nadando contra a corrente dos grandes estúdios, Chaplin passou a realizar trabalhos cada vez mais autorais e carregados de críticas à sociedade e à própria indústria cinematográfica. Este curso traçará um panorama da carreira de Chaplin, destacando as soluções que utilizou para compensar a resistência ao uso da voz. Veremos que, se por um lado a popularidade de seus filmes entrou em declínio na virada dos anos 1920 para os anos 1930, por outro, seu apuro narrativo essencialmente visual apresentou um salto qualitativo poucas vezes observado em artistas que precisaram se reinventar.

Donny Correia é mestre e doutor em estética e história da arte pela USP e crítico de cinema. Também é escritor e poeta, tendo publicado, entre outros, "Corpocárcere" (2013) e "Zero nas Veias" (2015). Em 2013, tornou-se o primeiro brasileiro a ter um poema selecionado pela NASA para ser enviado a Marte a bordo da sonda MAVEN. Publica ensaios e resenhas em periódicos como O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo e Psicologia em foco (PUC-PR). Também atua como professor de História e Linguagem do Cinema em instituições diversas como FMU, Academia Internacional de Cinema e Sesc. Em 2016 publicou, pela editora Unesp, Cinematographos de Guilherme de Almeida – antologia da crítica cinematográfica. Sua obra mais recente, publicada em 2018, é Cinefilia crônica: comentários sobre o filme de invenção.

  • Conteúdo
  • Detalhes
Conteúdo do curso (100% digital)

Conheça melhor quem criou o conteúdo

Casa Guilherme de Almeida
2 Anos Hotmarter

Inaugurado em março de 1979, o museu-casa – instalado na residência onde ele viveu de 1946 até o ano de sua morte – abriga o acervo composto de objetos que pertenceram ao poeta, tradutor, jornalista e advogado paulista Guilherme de Almeida (1890-1969), um dos mentores do movimento modernista brasileiro.

A Casa Guilherme de Almeida — que tem como objetivos centrais preservar o legado e a memória do poeta, bem como promover o conhecimento de sua obra — oferece ao público intensa programação cultural, relacionada ao amplo campo de atuação de Guilherme, incluindo-se cursos, oficinas, palestras, mesas-redondas e recitais.

Por que comprar no Hotmart Marketplace?

Até 7 dias para pedir reembolso

Certificado de Conclusão Digital

Pagamentos seguros

Suporte Hotmart

Acesso em todos os dispositivos

Diversas formas de pagamento

Como vou acessar?

Ao comprar, o produto fica disponível na sua conta

Você acessa seu produto através de um link que enviamos ao seu email. Você também pode acessá-lo nesta página.

Perguntas Frequentes

O conteúdo deste produto não representa a opinião da Hotmart. Se você vir informações inadequadas, denuncie aqui