Início / Blog / Conteúdo contextual: o que é e como usá-lo para conquistar clientes
Fechar

Conteúdo contextual: o que é e como usá-lo para conquistar clientes

O conteúdo contextual é uma maneira de mostrar o material certo para o público certo, no momento certo! Saiba como usar essa estratégia.

ilustração de um notebook com uma janela de programa em destaque na tela, com três blocos de conteúdo, sendo um deles destacado dos demais e sobreposto por um quarto bloco de conteúdo.

Todos nós somos bombardeados diariamente por textos, imagens e vídeos, fazendo com que a atenção seja muito concorrida. E, para as marcas, fica cada vez mais difícil capturar a atenção do seu público e conquistar clientes. 

Por isso, o conteúdo contextual é uma ferramenta fundamental nesse ambiente.

Segundo o site Agência Brasil, uma pesquisa apontou que “em relação à frequência de uso [da internet], 90% [das pessoas entrevistadas] relataram acessar todos os dias, 7% pelo menos uma vez por semana e 2% pelo menos uma vez por mês”.

Diante disso, podemos afirmar que as pessoas estão sendo expostas a uma quantidade elevada de informações. 

Mas quantos desses conteúdos serão, de fato, relevantes e interessantes para essas pessoas? E será que a sua marca está alcançando as pessoas certas?

Porque, mais importante do que ter uma grande quantidade de conteúdo produzido, é que esse conteúdo chegue para quem realmente se interesse por ele, no momento oportuno e por meio de um canal adequado.

E, no artigo a seguir, você vai conhecer uma ferramenta que vai te ajudar nessa missão: o conteúdo textual. Continue essa leitura até o final e saiba tudo sobre esse método e como usá-lo para conquistar clientes. 

O que é conteúdo contextual? 

O conteúdo contextual é um tipo de estratégia que acontece, em diferentes contextos, em que é oferecido um conteúdo útil para atender a uma necessidade de um público específico, em um momento oportuno.

É o tipo de conteúdo que, nem sempre, o consumidor ou usuário está procurando diretamente. Porque essa estratégia depende do contexto em que esse consumidor está inserido e da necessidade que, muitas vezes, ele mesmo nem sabia que tinha.

Para você entender melhor, um exemplo de conteúdo contextual são os textos de apoio, pré configurados, que ficam na sessão de atendimento de um banco digital. Quando você escreve a sua dúvida, em vez de o aplicativo te encaminhar para um chat, ele oferece alguns conteúdos que podem ajudar a esclarecer a sua dúvida.

Embora você não tenha, necessariamente, procurado aquele texto, a circunstância te levou para uma leitura útil, que provavelmente é exatamente aquilo que você precisava.

Outra situação em que essa tática cabe muito bem é em ações de marketing, que aproveitam alguma situação para entregar um conteúdo relevante. 

Por exemplo: em alguns momentos do ano, pode acontecer, em algumas regiões, uma onda de calor que vai atingir uma localidade específica. Nesse período, uma marca de sorvete, por exemplo, pode aproveitar para enviar um conteúdo para os seus clientes com receitas refrescantes.

Mais uma vez, é uma situação externa que afeta pessoas específicas, onde há oportunidade de oferecer um conteúdo útil, que se adapta ao local e às necessidades do público.

Personalização: a chave do conteúdo contextual

No marketing de conteúdo, de modo geral, é fundamental que o seu público seja segmentado. E, especialmente quando se trata de conteúdo contextual, essa personalização precisa ser feita de maneira meticulosa.

Isso significa que é necessário identificar aspectos muito particulares das pessoas que estão na sua base de contatos e classificá-las.  

Porque, pense bem, se a sua intenção é aproveitar uma ocasião para criar uma estratégia de marketing digital, a efetividade dessa campanha vai depender diretamente do quão bem você conhece o seu público.

Afinal, o conteúdo que a sua marca vai oferecer precisa ser um conteúdo personalizado de maneira apurada. Por isso, é importante que a sua audiência tenha esse nível de fracionamento de público.

Como criar conteúdo contextual?

Agora que você já entendeu o que é esse tipo de conteúdo, em quais situações ele pode ser aplicado e a importância da personalização nesse processo, chegou o momento de criar esse material relevante.

Para isso, é importante seguir algumas recomendações. Abaixo, você encontrará algumas dicas de como proceder.

1. Conheça a fundo o seu público

Como citado acima, é indispensável que você conheça o seu público e, mais que isso, que o conheça bem. Ou seja, a organização da sua base de conexões precisa estar bem dividida e identificada, de maneira que você consiga personalizar ao máximo a sua comunicação.

Para isso, vale usar alguma ferramenta — como um CRM — para te ajudar a estruturar o seu público e planejar um conteúdo que faça sentido para quem ele está sendo enviado. 

2. Escolha o canal mais adequado

No ambiente publicitário, existem diversos canais de comunicação, tanto offline como online. Pensando nisso, também é importante considerar que cada tipo de público se adequa a um tipo de mídia ou canal de comunicação.

Portanto, esse elemento faz parte do processo de conhecer profundamente o seu público. Porque, muitas variáveis podem influenciar na escolha desses canais e todas elas devem ser analisadas, de maneira que o seu material alcance as pessoas certas, no lugar certo. 

3. Escolha o formato do material

Mais uma etapa que deve fazer parte do desenvolvimento do seu conteúdo contextual é a escolha do formato de conteúdo

Neste caso, além de entender qual é o formato mais interessante para o seu público, é importante pensar na possibilidade de transformar esse material em dois ou mais formatos. 

Porque é possível que o seu público interaja bem com blog posts, por exemplo, mas também se sente confortável em consumir um conteúdo de áudio ou vídeo. Portanto, vale a pena criar um conteúdo que pode ser aplicado em diferentes formatos.

4. Determine os elementos variáveis

Quando um público está bem segmentado, existem variáveis que diferenciam as pessoas umas das outras. 

Por exemplo, você terá o contato de pessoas de diferentes idades, que moram em diferentes regiões, que trabalham em diferentes tipos de empresas, que têm estado civil diferentes etc.

Essas são as variáveis, que fazem parte dos elementos que identificam os grupos de pessoas. Elas precisam ser consideradas no processo de criação e distribuição de seus conteúdos, justamente porque elas vão indicar qual é a melhor oportunidade para cada persona

5. Crie o conteúdo

É indispensável levar em consideração todos os passos anteriores, no momento de criação do seu conteúdo. Mas, acima de tudo, lembre-se de que esse conteúdo é para um público específico.

Isso significa, que você precisa pensar na sua persona e usar uma linguagem adequada para ela, para que ela sinta que aquele material foi planejado, criado e enviado, pensando no contexto que a envolve. 

Assim, a sua mensagem será muito mais efetiva e trará melhores resultados.

6. Publique e acompanhe os resultados

Uma orientação que não pode faltar é essa: esteja sempre de olho nas métricas.

Esse é um hábito que todo profissional que realiza ações de marketing precisa ter, porque os dados mostrarão quais foram os resultados da sua estratégia. Isso será fundamental para próximas ações ou, até mesmo, fazer um aprimoramento da ação que está sendo executada naquele momento.

Encante o público com conteúdo contextual 

O conteúdo contextual é uma ótima oportunidade de fazer campanhas e ações criativas, que gerem um grande engajamento do público. 

Mas, para que isso aconteça, é indispensável estar atento aos acontecimentos do cotidiano, conhecer a fundo o seu público e ter uma base de contatos segmentada, para que você possa elaborar um material realmente útil e o mais personalizado possível.

Porque quando o seu conteúdo está inserido em uma circunstância atual e é enviado para a persona certa, por meio de um canal adequado, certamente a sua marca vai encantar o público e gerar um bom engajamento, resultando em mais clientes para o seu negócio. 

Uma dica extra para quem quer colocar essa estratégia em prática é fazer testes, para que você tenha mais insumos para analisar. 

Como falado no tópico acima, os dados e resultados são uma etapa importante para toda estratégia e, com o auxílio de um teste A/B, por exemplo, essa análise pode ser mais otimizada. 

Para te ajudar a entender melhor como funciona esse método, confira nosso artigo sobre teste A/B, conheça as vantagens dessa ferramenta e aprenda a aplicá-la em seu negócio.