Início / Blog / Criador de conteúdo: o que é e como se tornar um content creator
Fechar

Criador de conteúdo: o que é e como se tornar um content creator

Que tal trabalhar produzindo conteúdo na internet? Saiba mais sobre o trabalho do criador de conteúdo e como trabalhar como content creator.

Criador de conteúdo - ilustração de uma publicação do Instagram com a fotografia de uma pessoa com duas setas apontando para cima do lado direito da publicação e ícones de likes do lado esquerdo da publicação

Sabe tudo que você lê ou vê na internet? Estamos falando sobre os vídeos no Instagram e YouTube, os blogposts sobre o que você pesquisou no Google e até os podcasts no Spotify. Existe um profissional por trás de cada um desses materiais: é o criador de conteúdo.

A produção de conteúdo para web deu um boom muito grande, principalmente com a chegada das redes sociais, as quais estimulam a criatividade para apresentar, educar e convencer o usuário.  

Se antes somente os jornalistas e profissionais de marketing escreviam peças informativas e educativas na internet, hoje qualquer pessoa com conhecimento sobre determinado assunto pode desenvolver conteúdos em diferentes formatos. 

Segundo uma pesquisa 2021, do site Criadores iD com parceria do Google, 55% dos entrevistados têm entre 20 e 29 anos, 59% possuem formação superior e 27% têm mais de 30 anos (a partir dessa faixa etária a preferência é pela criação de conteúdo para o YouTube).

Quer entender mais sobre o criador de conteúdo e como fazer dessa a sua profissão ou renda extra? Prossiga com a leitura e fique por dentro de tudo.

Post index MenuÍndice
O que é um criador de conteúdo? Quais tipos de conteúdo um content creator pode criar? Onde um criador de conteúdo pode trabalhar? Qual a diferença entre criador de conteúdo e influenciador? Como se tornar um criador de conteúdo?
Voltar ao Índice

 

262

 

O que é um criador de conteúdo?

Como já mencionamos, o content creator é aquela pessoa que se dedica a criar conteúdos na internet capazes de ajudar, divertir, educar ou vender algo a sua audiência. Mas como essa atividade virou uma profissão lucrativa?

A seguir, você confere uma breve linha do tempo sobre o surgimento, a profissionalização e o cenário atual sobre a atuação dos criadores de conteúdo no país.

Como surgiu a profissão de content creator?

Se você é um usuário antigo da internet ou trabalha com marketing digital há algum tempo, deve lembrar do Flogão ou do Fotolog. Foi nesses blogs que vimos os primeiros vestígios do que hoje entendemos como content creators.

Pessoas comuns publicavam fotos e textos sobre suas rotinas. Alguns chamavam mais atenção que outros e acabavam atraindo seguidores de diferentes localidades do país — o que realmente era um grande feito na época da internet discada.

Como esse trabalho se profissionalizou?

Depois disso, o Orkut virou febre e os criadores das comunidades mais populares eram os famosos da internet. O Cid, do Não Salvo, carrega fama desde aquela época.

Algumas blogueiras também começaram a se destacar desde então, como a Taci Alcolea e a Mari Moon.

Depois vieram o YouTube e o Twitter; e então o Facebook e o Instagram.

Não é de hoje que as marcas se unem a pessoas de relevância online para levar seus produtos a mais pessoas. Porém, certamente a profissionalização desse tipo de serviço tem atingido níveis jamais vistos antes.

Qual o cenário atual?

Justamente por conta dessa profissionalização, as exigências de ambas as partes — marcas e criadores de conteúdo — cresceram bastante.

De um lado, pessoas com uma legião de seguidores perceberam uma grande oportunidade de gerar renda a partir desses números; as marcas, por sua vez, começaram a cobrar entregas mais caprichadas para justificar o alto investimento.

Assim, a ideia de influenciar simplesmente por influenciar começou a fazer cada vez menos sentido. O que vemos no lugar é a ideia da cocriação. A união de marcas e criadores de conteúdo deve ser algo realmente orgânico e que faça sentido para o público do creator.

A grande maioria dessas pessoas ganha notoriedade e relevância por conta da criação de um conteúdo espontâneo. Assim, o público logo percebe os casos em que a pessoa divulga algo que provavelmente não consome, o que pode ser prejudicial tanto para a marca como para o content creator.

Entretanto, devemos deixar claro que há uma diferença entre criadores de conteúdos e influenciadores, a qual explicaremos mais adiante. 

Mas, por aqui, já adiantamos: nem todo criador de conteúdo é um influenciador famoso das redes, mas todo influenciador é criador de conteúdo, independente do formato. 

Ainda segundo a pesquisa citada no começo do artigo, a Criadores ID mostra que a plataforma mais usada pelos criadores em 2021 foi o Instagram, com 86% dos entrevistados postando seus conteúdos por lá. 

Bom, parece que a criação de conteúdo veio mesmo para ficar. Pensando no futuro, 95% das pessoas da pesquisa afirmam que se imaginam criando conteúdos daqui a 10 anos – sendo 45% para o Instagram, 43% para o YouTube e 9% para o TikTok. 

262

Quais tipos de conteúdo um content creator pode criar?

Não só de vídeos sobrevivem os criadores, falamos brevemente sobre isso no começo. Mesmo que os vídeos sejam os mais populares, há outras possibilidades para quem prefere se expressar de outra maneira. Veja só:

1. Vídeos

Os conteúdos estão mais visuais que nunca, já reparou? Isso se deu por conta da popularização do Instagram e TikTok. Inclusive, existe uma área do marketing que lida com isso — chamamos de marketing visual.

Para produzir vídeos para as redes não é preciso grandes produções. Claro que as produções elaboradas também funcionam bem, mas depende do contexto, do nicho de mercado e outros fatores.

Porém, muitos criadores viralizam com vídeos simples, usando a câmera do smartphone e gravando no quarto. 

Se você tem interesse em criar vídeos como uma estratégia da sua marca, aposte no Reels do Instagram, YouTube, YouTube Shorts e TikTok.

2. Textos

Um dos profissionais mais importantes para o marketing digital hoje em dia é aquele com uma boa escrita.

Os redatores conseguem escrever para diferentes canais, como descrições de vídeos, legendas de Instagram, posts em blogs, tweets, anúncios no Google Ads, e-mails, mensagens de push, e por aí vai.

Engana-se quem pensa que é simples ser um criador de conteúdos textuais. Para ter uma escrita clara, inclusiva e educativa é preciso estudar, ter paixão pela escrita e ler bastante.

3. Imagens

Criar imagens e infográficos para uma estratégia de marketing digital é um desafio e tanto. Isso porque você precisa passar a mensagem por meio de uma peça estática, diferente dos vídeos em que podemos explicar e convencer o usuário de fazer algo.

Essa é uma boa oportunidade para fotógrafos, por exemplo, pois eles se dedicam a passar mensagens por meio de suas lentes.

O Instagram e o Twitter são bons destinos para fotos, sabia? Inclusive, essa era a premissa do Instagram quando ele foi lançado pela primeira vez. 

4. Áudios

Os áudios são tão importantes quanto os vídeos. Um content creator pode produzir músicas e também podcasts.

A música já é uma velha conhecida de todos. Acredita-se que a primeira música surgiu há 50 mil anos e as primeiras manifestações foram feitas na África. Com o tempo,  expandiu-se pelo mundo, de acordo com o avanço da raça humana pelo planeta.

Já os podcasts são mais jovens. O termo surgiu nos anos 2000 com a junção das palavras ‘iPod’, dispositivo reprodutor de áudio da Apple, e ‘broadcast’, (transmissão, em inglês).

Ainda que sua criação tenha duas décadas, o consumo de podcast se popularizou nos últimos anos com a chegada dos streamings, como Spotify e Deezer. O crescimento de ouvintes cresceu muitopor conta da facilidade de conciliar com outras tarefas do dia a dia.

A pesquisa da Associação Brasileira de Podcasters revelou que mais de 51% dos usuários têm o hábito de ouvir esse tipo de conteúdo diariamente, por mais de duas horas, em média.

Onde um criador de conteúdo pode trabalhar?

Depois de entender os tipos de conteúdo que um creator pode produzir, fica mais fácil saber onde há oportunidades de trabalho. 

Você pode ser um freelancer para organizações que produzem conteúdo, como a escrita de blog posts corporativos em diferentes nichos, pode também criar e-mails, copy para anúncios, vídeos no YouTube e Instagram, e muito mais!

Qual a diferença entre criador de conteúdo e influenciador?

Falamos brevemente sobre esse ponto nos tópicos anteriores, lembra? A principal diferença é que o digital influencer utiliza a internet e redes sociais para influenciar as pessoas sobre um produto, serviço, modo de vestir ou pensar.

Já um criador de conteúdo desenvolve conteúdos para qualquer tipo de plataforma, seja ela online ou offline.

A similaridade aqui é que ambos produzem conteúdos e, em geral, são especialistas ou entendem muito sobre o assunto abordado.

Quer saber mais sobrne o mercado de influenciadores no Brasil? Baixe o raio-x gratuito que a Hotmart desenvolveu tocando no botão abaixo:

262

Como se tornar um criador de conteúdo?

Se você chegou até aqui é porque possui algum interesse na área, certo? Então, é hora de aprender os passos necessários para se tornar um criador de conteúdo.

1. Defina um nicho e seja uma autoridade nele

Primeiramente, defina o nicho. Escolha algo com familiaridade e conhecimento. Suponhamos que você gosta muito de vinhos. É possível criar blogposts e vídeos sobre o assunto.

Você consegue falar sobre diferentes assuntos num mesmo nicho, como os 10 vinhos brancos com melhor custo benefício do mercado hoje, ou até mesmo, a história do vinho. 

2. Crie uma persona

262

Quem seria o usuário ideal para consumir as suas peças? Para responder essa pergunta, pode-se criar uma persona, caracterizado por um perfil semi-fictício do usuário que se interessaria pelo seus conteúdos.

Temos um artigo sobre o que é e como criar uma persona, de uma olhada clicando aqui!

3. Escolha as redes e plataformas em que vai atuar

A escolha das redes sociais de atuação deve ser decidida de acordo com o tipo de conteúdo produzido e com a persona. Até porque dependendo do perfil do seu usuário, você precisa postar nas redes em que ele se encontra. 

4. Defina os formatos dos conteúdos que vai produzir

Novamente, o formato dependerá da plataforma e da persona. Ao desenvolver vídeos, talvez a melhor rede social para monetização seja o YouTube. Tem também o TikTok, Reels e YouTube Shorts para vídeos mais curtos.

Para blogs, existe o WordPress. No caso de podcasts, pode-se apostar no Deezer, Spotify, Apple Music e até no YouTube.

5. Acompanhe as tendências

Abordar a pesquisa de palavras-chave, pesquisa de concorrentes de mercado, acompanhamento de tendências em redes sociais e Google Trends e como isso é importante para criar conteúdos relevantes e atraentes.

6. Crie um portfólio online com seus trabalhos

Para quem é freelancer, a criação de um portfólio online é importantíssima. Ele servirá como uma vitrine das suas peças postadas em diferentes plataformas.

Dessa forma, os contratantes conseguem entender um pouco mais sobre as suas habilidades e alinhar as expectativas de uma demanda com o criador de conteúdo em questão.

7. Produza conteúdos de qualidade sempre!

Parece óbvio falar isso, mas sempre dê o melhor de si em todas as peças, para evoluir suas habilidades e atingir os objetivos da estratégia traçada — seja ela converter vendas ou aumentar seguidores nas redes.

8. Aposte em ações de marketing para divulgar os seus conteúdos

O marketing é um grande aliado para alcançar usuários e ajudar a divulgar conteúdos. Aposte no planejamento de estratégias para atingir seus objetivos com as suas peças, como o uso do e-mail marketing.

Comece a trabalhar como criador de conteúdo

Finalizar o texto reforçando o aumento do mercado de criação de conteúdo e retomando as dicas para trabalhar nesse mercado. Finalizar o texto sugerindo a leitura do post sobre influenciadores digitais.

E então, viu como o mercado para criador de conteúdo cresceu muito nos últimos anos? Graças às redes sociais de diferentes formatos, esses profissionais têm a liberdade criativa de produzirem peças com seus conhecimentos sobre determinado nicho.

Lembre-se: para atuar nesse mercado é preciso estudar, escolher um nicho de mercado, estudar concorrentes, desenvolver uma persona e apostar no marketing para divulgar o seu trabalho.

Você se interessou pela possibilidade de influenciar usuários com o seu estilo de vida? Então, por que não entender melhor a profissão de um digital influencer? Temos um artigo sobre o assunto, clique aqui e saiba mais.


Este post foi originalmente escrito em julho de 2019 e atualizado para conter informações mais completas e precisas.